A PÁSCOA, A CEIA DO SENHOR E SEUS REQUISITOS

Toda a comunidade de Israel terá que celebrar a Páscoa.” Êxodo 12:47

 

[14] Quando chegou a hora, Jesus e os seus apóstolos reclinaram-se à mesa. [15] E disse-lhes: “Desejei ansiosamente comer esta Páscoa com vocês antes de sofrer. [16] Pois eu lhes digo: Não comerei dela novamente até que se cumpra no Reino de Deus”. [17] Recebendo um cálice, ele deu graças e disse: “Tomem isto e partilhem uns com os outros. [18] Pois eu lhes digo que não beberei outra vez do fruto da videira até que venha o Reino de Deus”. [19] Tomando o pão, deu graças, partiu-o e o deu aos discípulos, dizendo: “Isto é o meu corpo dado em favor de vocês; façam isto em memória de mim”. [20] Da mesma forma, depois da ceia, tomou o cálice, dizendo: “Este cálice é a nova aliança no meu sangue, derramado em favor de vocês.” Lucas 22:14-20

 

Os textos citados encontram-se correlacionado com os de Mateus 26.17-30, Marcos 14.12-24 e 1º Coríntios 11.23-29.  A versão utilizada para a presente reflexão é a NVI da Editora Vida (Almeida Edição Contemporânea).

Para uma melhor compreensão, dividimos o evento em duas partes. Primeiro temos a páscoa e após a instituição da Ceia.

I – A PÁSCOA

the-passoverA Páscoa, instituída por Deus conforme registrada em Êxodo 12, logo após a décima praga derramada sobre o Egito e consistia de uma cerimonial familiar que marcaria para sempre a vida de seus participantes e tornaria uma ordenação judaica para a posteridade.

Etimologicamente a palavra significa “passagem” ou “passar sobre” (hb. Pêssach) referindo ao anjo que fora enviado para matar todos os primogênitos do Egito. Assim, os que haviam recebido a instrução e a seguissem estariam livres da fatalidade, pois, o sangue do cordeiro pascal seria aspergido nos umbrais da porta identificando os que deveriam ser excluídos da terrível punição.

Os elementos (ingredientes) que deveriam compor a Páscoa foram detalhadamente keara-montada-1397317747018_956x500especificados, conforme encontramos nos textos sagrados e seriam os seguintes:

  1. No dia 10 do mês de Abibe (ou Nisã – pós exilio e corresponde ao março-abril do calendário gregoriano) deveriam separar um cordeiro/cabrito por família, podendo agregar outra família caso esta fosse pequena;
  2. O cordeiro/cabrito deveria ser:
    1. Macho;
    2. Da idade de um ano;
    3. Sem defeito (imaculado).
  3. No 14º dia ao pôr-do-sol, todos deveriam, ao mesmo tempo, imolar o cordeiro/cabrito;
  4. O sangue deveriam ser aspergidos nas laterais e nas vigas superiores (ombreiras e verga) das portas;
  5. A carne deveria ser totalmente assada e o acompanhamento deveria ser:
    1. Ervas amargas; e
    2. Pão sem fermento (pão ázimo);
  6. Não deveria sobrar nada. Caso acontecesse deveria ser queimado totalmente;
  7. Não poderiam comer de qualquer jeito. Deveriam estar:
    1. Lombos cingidos (cinto no lugar);
    2. Sandálias nos pés;
    3. Cajado na mão;
    4. Comer apressadamente.
  8. Decreto Perpétuo.

Assim a Páscoa possui um profundo significado que até hoje é levado à risca por aqueles que praticam o judaísmo. Para o nobre leitor ter uma ideia, extraímos do site http://www.pt.chabad.org/, a seguinte definição para o Pêssach (Páscoa):

1pascoa-judaica-pascoa-crista“A chegada de Yaacov e sua família no Egito foi uma marcha triunfal. Assim foi também a partida, 210 anos depois, de seus filhos, os filhos de Israel, do Egito. Esta era a diferença: a pequena família de setenta pessoas havia se tornado uma nação grandiosa e unificada de três milhões de almas, das quais, 600.000 homens adultos.

Em cada geração uma pessoa é obrigada a considerar-se como tendo realmente saído do Egito. A redenção do Egito e a subsequente experiência da entrega da Torá estabelece a identidade do povo judeu como “servos de D’us”, e não “servos de servos”.

Com o Êxodo, adquirimos a natureza e qualidades de homens livres. Esta natureza é mantida apenas porque D’us está constantemente nos libertando do Egito. O milagre da redenção não é um evento do passado, mas um fato constante em nossas vidas.” (Grifo nosso)

Libertação do julgo humano e dependência total do Criador é o tema central da páscoa “Deixe o meu povo ir para que me preste culto.Êxodo 9:1

Assim na instituição da Páscoa no Vétero Testamento se estabeleceu os critérios dando respostas as questões: Quem? Quando? Como? Onde? O quê? Por quê?  Senão vejamos:

  1. Quem deveria celebrar a páscoa?
    R. Todos os descendentes de Jacó, toda a comunidade de Israel (Exôdo 1.5; Exôdo 12.3).
  1. Quando deveria celebrar a páscoa?
    R. No pôr-do-sol do décimo quarto dia do mês de Abibe/Nisã (Exôdo 12.6).
  1. Como deveriam celebrar a páscoa?
    a) Passando o sangue do cordeiro nos umbrais (laterais e vigas superiores) das portas;
    b) Assando no fogo o animal (não poderiam comer carne crua);
    c) Acompanhamento da carne: ervas amargas e pão sem fermento;
    d) Devidamente vestidos, pés calçados e cajado nas mãos;
    e) Comer apressadamente.
    (Exôdo 12.7-12)
    .
  1. Onde deveriam celebrar a páscoa?
    Com a família dentro de casa – perigo de morte (Exôdo 12.3-4).
  1. O que deveriam fazer para celebrar a páscoa?
    a) Matar o cordeiro separado para o propósito (de um ano ou do primeiro ano e sem mácula);
    b) Por sangue nos umbrais das portas;
    c) Colher ervas amargas;
    d) Fazer pão sem fermento;
    e) Vestir-se adequadamente;
    f) Reunir-se em família. Se fosse pequena (abaixo de 10 pessoas) deveriam unir-se a outra;
    g) Comer apressadamente;
    h) Queimar as sobras.
    (Exôdo 12.3-11)
    .
  1. Por quê deveriam celebrar a páscoa?
    a) Porque eram escravos no/do Egito (Exôdo 6.5);
    b) Porque necessitavam de libertação. Eram incapazes e impotentes diante de Faraó (Exôdo 2.23);
    c) Porque era resposta do seu clamor (Exôdo 2.24-25);
    d) Porque Deus exigia sacrifício de sangue para redimi-los (Gênesis 3.21; Exôdo 24.8; Hebreus 9.22);

Entenda isso: nada que DEUS faz é debalde, em vão ou sem propósito! (Eclesiastes 3.1; João 11.4; Romanos 8.28).

II – A CEIA DO SENHOR

lava-pesEm Lucas 22.8, encontramos a seguinte ordem de Jesus: “Vão preparar a refeição da PÁSCOA” indicando que deveriam cumprir com o “estatuto perpétuo” dantes determinado por Deus (Mateus 5.17).

Os textos aclaram que o Senhor Jesus, junto com seus discípulos fizeram uma refeição “Enquanto comiam…” (Mateus 26:26), “Quando estavam comendo…” (Marcos 14:18) e “Desejei ansiosamente comer esta Páscoa com vocês antes de sofrer” (Lucas 22:15).

O pão ázimo (feito sem fermento), já era elemento essencial da Páscoa e quando está a partir declara seu novo significado “Tomem e comam; isto é o meu corpo” (Mateus 26:26; Marcos 14.22; Lucas 22.19) e acrescenta um novo elemento ao evento “Isto é o meu sangue da aliança, que é derramado em favor de muitos, para perdão de pecados.” (Mateus 26:28; Marcos 14.24; Lucas 22.20), encontramos a “boa nova” quando o Senhor Jesus divide o pão e o vinho (gr. τον καλον οινον (ton calon oinon) = o bom vinho / finíssima qualidade), o qual denominamos de Ceia do Senhor ou Santa Ceia.

Por que Ceia do Senhor ou Santa Ceia? Ceia já existia. Antes que alguém critique o termo “Santa Ceia”, particularmente a utilizo pela seguinte razão: se a Ceia que me refiro é do SENHOR e trata-se do CRISTO, MESSIAS e SALVADORpessach01, que é o SANTO, então, não há que se falar em heresia e/ou distorção de significados.

Nos dias do Apóstolo Paulo, notoriamente na Igreja de Corinto, a ceia era praticada como um ajuntamento de povo e apresentava três características, a saber: ostentação, fome e embriaguez (1 Coríntios 11.21-23) com tremendo caráter anticristão: soberba, egoísmo, arrogância e indignidade.

O intrépido apóstolo afirma categoricamente que aquela NÃO era a Ceia do Senhor “Quando vocês se reúnem, não é para comer a ceia do Senhor” (1 Coríntios 11:20).

Ora, explícito está que existe duas ceias:

  1. A Ceia do Senhor; e
  2. Outra ceia.

O problema não é ter OUTRA CEIA. Podemos tê-la nas festas com a família, nas comemorações alusivas a passagem de um ano ou quando assim desejarmos ter comunhão com alguém que nos é querido.

A propósito o termo CEIA DO SENHOR (1 Coríntios 11:20) utilizado na tradução vem do grego κυριακον δειπνον (quiriacon deipnon) e significa jantar. Para os latinos deriva de “lt. coena” para denominar “uma refeição que se faz a noite”.

É inegável que estamos vivendo os dias já vaticinados na Palavra de Deus em que os homens abandoncultotvariam a fé – não a religião (1 Timóteo 4.1) e que os tempos seriam difíceis, trabalhosos ou terríveis (2 Timóteo 3.1).

Já existem sites especializados em ministrar ceia “on-line”. Na verdade é mais que um site, é uma “igreja” virtual.

Numa dessas “igrejas” virtuais você poderá ser: parceiro, membro, obreiro e pastor. O amigo parceiro (como eles denominam), contribui com no mínimo R$ 100,00. Já exclusivo a contribuição mínima é de R$ 1.200,00. É uma “igreja” completa: você poderá ser pastor, diácono, dizimista, ofertante… poderá adquirir o azeite da unção (não é cobrado, só uma oferta de R$ 300,00), ter o roteiro completo de um cerimonial de ceia, inclusive com a seguinte observação: “Quando o Membro estiver sozinho, ele pode fazer todos esses passos. O pão e vinho dão para 5 pessoas da família, mas se estiver sozinho ou menos pessoas podem ingerir e beber todo.

Mas, se existem requisitos e propósitos para que a celebração da Páscoa fosse efetivada, conforme observamos no Vétero Testamento, haverá para a Igreja do Senhor na atualidade? Uma resposta simples seria: se existiu para a Igreja Primeira e fazemos parte desta, pela dispensação atual, então existe para nós.

Para fins didáticos utilizo os critérios já mencionados para elucidação das dúvidas quanto a Páscoa, com a finalidade de aclarar a Ceia do Senhor.

Faz necessário esclarecer que não se trata do oficial que ministrará a Ceia do Senhor e seus auxiliares.

  1. Quem deve celebrar a Ceia do Senhor?
    a) Todos os discípulos de Jesus.

Discípulo de Jesus é quem (algumas características):
1) O Segue (Mateus 8.23);
2) O Obedece (Mateus 21.6; João 8.30-44);
3) O Ama mais que a família (Mateus 10.37; Lucas 14.26);
4) Renuncia o livre arbítrio (Mateus 16.24);
5) Renuncia as riquezas terrenais (Mateus 6.24-34; Lucas 14.33);
6) É leal incondicionalmente (Mateus 10.24-26; Hebreus 13.17);
7) Tem compromisso (Mateus 28.18-20; Romanos 12.1-2);
8) É Seu imitador (1 Pedro 2.21-22);
9) É participante de Sua natureza (2 Pedro 1.4);
10) Ama seus irmãos (João 13.34-35);

b) Pela ordem: crer, arrepender, batizar, comunhão (Mateus 28.18-20; Marcos 16.15-16; Atos 2.38-46).

  1. Quando devemos celebrar a Ceia do Senhor?
    Todas as vezes… “,“sempre que comerem… (1 Coríntios 11.26). Não há prazo determinado para a realização da Ceia do Senhor.
  1. Como devemos celebrar a Ceia do Senhor?
    a) Andando na luz, confessando os pecados e se purificando no sangue de Jesus (Tito 2.14; 1 João 1.7-9);
    b) Com unidade e integridade indivisível no Senhor (1 Coríntios 11.18; 1 Coríntios 11.33; 1 Coríntios 14.40; 1 Coríntios 12.12; 2 Coríntios 2.17; Mateus 10.38; João 17.23; Efésios 4.3; Efésios 4.13);c) Com profundo respeito, temor e tremor (Marcos 14.22; Marcos 14.24).

 

  1. Onde devemos celebrar a Ceia do Senhor?
    a) Jesus não fez em qualquer lugar. E tampouco em sua casa ou na dos discípulos. Havia um local designado (Mateus 26.17-19; Marcos 14.13-16; Lucas 22.8-13);
    b) A descida do Espírito Santo aconteceu num local específico determinado pelo Senhor (Atos 1.4; Atos 2.1);
    c) Onde estava UM estavam TODOS (Atos 2.42; Atos 2.46; Atos 12.5; Atos 12.12);
    d) Desde os primórdios havia um local específico para as reuniões/cultos/ceia (1 Coríntios 11.22; Colossenses 4.15; 1 Coríntios 16.19; Romanos 16.5);
    e) Onde se reúne a sua Igreja? Quem é o seu pastor? (1 Crônicas 7.16; Jeremias 23.4; Efésios 4.11; Hebreus 13.7; Hebreus 13.17; )
  1. O que devemos fazer para celebrar Ceia do Senhor?
    a) Crer no nascimento virginal, no sacrifício vicário (substitutivo) e na ressurreição de Cristo Jesus (Mateus 1.18; Hebreus 10.5-10; 1 Pedro 1.3 );
    b) Estar disposto a se tornar como Ele (Filipenses 3.10-11);
    c) Não esquecer quem éramos (Deuteronômio 6.20-25; Lucas 23.32; Gálatas 4.3);
    d) Fazer pão sem fermento (Romanos 12.1; Marcos 8.15; 1 Coríntios 5.6-9);
    e) Vestir-se adequadamente (2 Reis 1.7-8; Provérbios 7.10; Atos 1.10; Efésios 6.14; 1 Tessalonicenses 5.23; Apocalipse 3.1-6);
    f) Reunir-se em família. (Mateus 12.48-50; Efésios 2.19-22);
    g) Apartar-se das divisões e escândalos (1 Coríntios 3.3; Romanos 16.17-18)
  1. Por quê devemos celebrar Ceia do Senhor?
    a) Porque éramos escravos no/do Egito (Gálatas 4.3; Tito 3.3);
    b) Porque somos servos de Cristo (1 Coríntios 7.22; Mateus 20.27; Gálatas 1.10);
    c) Porque necessitamos de salvação e vida eterna (João 6.54-58);
    d) Porque necessitamos rememorar a morte do Senhor (1 Coríntios 11.24;). Segundo Moody “Em memória envolve mais do que simples lembrança; a palavra sugere uma convocação ativa da mente. E a frase de mim é mais ampla do que da minha morte. A pessoa que efetuou a obra é o objeto da lembrança. O imperativo presente sugere que a constante freqüência da Ceia do Senhor é uma ordem divina (cons. Atos 20:7).”;
    e) Porque temos que anunciar que Jesus morreu para expiar os pecados de quem o aceitar com único e suficiente Salvador (Atos 4.12; Atos 16.30-33; 1 Coríntios 11.26; João 3.16-21);

CONCLUSÃO

Concluindo este singelo estudo, a maior preocupação não é afastar o leitor do Senhor Jesus é sim, uma tentativa de aproximá-lo.

Notamos no decorrer do estudo que a partir da instituição da Ceia do Senhor, o foco não está nos alimentos, nem em quem os preparou em si, porém, na santificação e preparo espiritual da pessoa que a celebra.

Para o verdadeiro cristão, o dia mais importante não é o congresso das crianças, adolescentes, jovens, irmãs… tampouco as festividades alusivas ao aniversário da Igreja ou do Pastor, mas, deve ser a CEIA DO SENHOR JESUS!

No entanto, é de bom alvitre asseverar que muitos não estão Jesus a sério, a saber, abandonando princípios cristãos aclarados na Bíblia Sagrada.

Assusta saber que mesmo vivendo numa época em que todos os meios facilitam a leitura bíblica, temos um alto índice de analfabetismo bíblico. Isto se deve em parte, da ausência de desejo da genuína Palavra (1 Pedro 2.2), deixando os rudimentos e amadurecendo na fé, na graça e no conhecimento (Filipenses 1.9; Hebreus 5.12-13; 2 Pedro 3.18).

O profundo desejo deste servo é que vivam em Cristo para que aquele dia não vos pegue de surpresa.

E as coisas que vos digo, digo-as a todos: Vigiai.” Marcos 13:37

 De vosso conservo em Cristo Jesus

 Pr. Davi Secundo de Souza


Bibliografia

BÍBLIA. Português. Bíblia de Referência Thompson: Almeida edição contemporânea. 2 ed. São Paulo: Vida, 2014.

CHAMPLIN, Russel Norman. Enciclopédia de Bíblia: Teologia e Filosofia. 9 ed. Vol. 5 P-R. São Paulo: Hagnos, 2008.

Pfeiffer, Charles F.; Harrison, Everett F. Comentário Bíblico de Moody. Vol. 1 e 2. São Paulo: Editora Batista Regular, 2010.

Walton, John H.; et al. Comentário Bíblico Atos: Antigo Testamento. Trad. Noemi Valéria Altoé da Silva.  Belo Horizonte: Editora Atos, 2003.

Wiersbe, Warren W. Comentário Bíblico Expositivo: Antigo Testamento. 1 ed. Vol. 1 – Pentateuco.  Santo André: Geográfica, 2007.

http://www.pt.chabad.org/

https://www.bibliaonline.com.br/

8 ideias sobre “A PÁSCOA, A CEIA DO SENHOR E SEUS REQUISITOS

  1. Paz do Senhor, Pastor Davi!
    Sou grata a Deus pela sua vida e preocupação com nosso crescimento espiritual e intelectual. Deus o abençoe sempre, com esta vontade de alimentar nossas almas, e nos conserve com vontade de nos alimentar. Feliz ano novo, feliz novo de Deus em sua vida e da sua família. Muito obrigada!

  2. A Paz do Senhor Jesus,Pastor Davi!
    Que ensino genuinamente puro,Cristocentrico,maravilhoso,é necessário aprender, relembrar as verdades bíblicas,meditar nela,para assim agradar nosso Mestre Jesus!
    Muito obrigado pelo ensino…

    • Estimada irmã Tânia
      Paz do Senhor Jesus
      Grato pelas palavras e incentivo. Sua visita e mensagem são importantes.
      Espero de alguma forma ter contribuído para o seu crescimento.

      Do servo menor,

      Pr. Davi Secundo de Souza

  3. Caríssimo pastor Davi, devo parabenizá-lo pelos seus ensinamentos bíblicos, pois são realmente baseados na Palavra de Deus. Enquanto muitos ensinam tantas coisas sem citar sequer um versículo bíblico (pois na maioria das vezes isto não é possível), prefiro me ocupar em ouvir a bíblia explícita, pois ainda que algum conteúdo dela me cause algum tipo de dor, será, com certeza, uma dor menor do que a do sofrimento eterno por negligenciar os ensinamentos do Senhor Jesus.
    Deus continue abençoando a sua vida e seu ministério.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *